sexta-feira, agosto 12, 2005

 

Fim

Assinei ontem o papel que termina a minha relação com A Capital. Resumindo, já tenho o cheque.

Nunca tive aquilo a que normalmente se chama um contrato de trabalho com a empresa. Mas para sair assinei uma declaração em que me comprometo a não reclamar nada mais da administração. Assim será, apesar de admitir que não saiu contente com toda a confusão em que me vi envolvido nas últimas duas semanas, nem com o resultado final. Ou seja, e sendo directo, com o dinheiro que levo no bolso depois de quase três anos de trabalho. Mesmo assim, podia ter sido muito pior. E, confesso, estes difíceis últimos episódios da minha passagem pela Capital fizeram-me aprender algumas lições que espero ter realmente aprendido para não voltar a cometer os mesmos erros.
A todos os que nas últimas semanas se preocuparam com a minha complexa situação na Capital, o meu obrigado. Especialmente, à Mariana e à Kátia, que me convenceram que não era justo sair daqui “com uma mão à frente e outra atrás”.

Hoje, levo a última (da muita) papelada da minha secretária. Na redacção, quase vazia e já sem telefones, escrevo as últimas palavras no computador que “roubei” à Kátia pouco depois de chegar ao jornal. Uma verdadeira máquina que, apesar de ainda trabalhar (lentamente, é certo), já tem o destino traçado numa lixeira qualquer da região.

Nesta redacção fantasma, onde faltam sobretudo as pessoas que me habituei a ver nos últimos anos, sinto-me como um dos últimos a abandonar o barco. Agora, é ir de férias e esquecer A Capital, para em Setembro ou Outubro voltar à carga com novas ideias e projectos.

Comments:
Força aí Guedes. Para mim, o que se passou contigo foi dos casos mais injustos naquele jornal, num processo liderado por pessoas que não fazem ideia de como vive um jornal no dia-a-dia e do que as pessoas se esforçam, independentemente do seu vínculo ou contrato. É triste, mas a decisão de fechar fez ainda mais que nos transformassemos em números... Força aí e já agora aproveito para te agradecer - MAS, ATENÇÃO, ISTO NÃO É NENHUMA DESPEDIDA - os óptimos momentos que partilhámos na nossa ilha sem fumo! ;) E já agora parabéns pelas tuas manchetes! :)
 
Cláudio: Não tens nada a agradecer. Caso contrário, também eu tenho que o fazer exactamente pelas mesmas razões. Afinal, os óptimos momentos foram mútuos.

E - esta só tu vais perceber -, continuo muito curioso em saber como termina aquele famoso fio. :)
 
Indiscreta como só eu: Qual fio???
Beijinhos Guedes vulgo o mais fofinho e boa sorte, nada de esmorecer...és rei das manchetes, não te esqueças ;)
E um grande beijinho para o Cláaaudiuuuuuu de quem também já tenho saudades
 
Cá me parece que estes dois grandessíssimos taradões estão a falar de um... FIO DENTAL! Seus ordinarões! E um grande beijinho de parabéns ao Cláudio que faz anos... ou melhor, fez... já passa da meia noite.. Anyway.... PARABÉEEEEEEEEENS!!!
 
Guedes "Müller"... és, como o Cláudio disse com muita razão, um dos casos mais injustos de um processo penoso, liderado por uma administração que não sabe, soube, nunca saberá dar valor às pessoas que contribuiram para a qualidade da empresa.
Força aí...
 
és grande, Guedes!
 
Não. Não é um fio dental. E mais não digo.
 
Então é um fio de pescoço?Um fio de cabelo?Diz-meeeeeeeeeeeeeeeeee
 
Diana:

pensa que é apenas um fio. Nada mais do que isso.

Guedes: mesmo sem c ertezas, podemos sempre imaginar como acaba... ;)
 
O intuito desta linguagem efiminada é duvidoso. Deve ser terrivel estar em casa sem anda para fazer.
 
Fogo nuno qdo soube o que se passava contigo fiquei chocada, peço deculpa nao ter estado ai para dar apoio mas acredita que pensei muito em ti e espero que tudo se tenha resolvido pelo melhor, dentro dos possiveis. So eras um dos melhores jornalistas daquele jornal..
Ja tenho tantas saudades de todos!! :( :(
Ah, é a patricia naves, tenho de criar un nick para aki eu sei...
 
Enviar um comentário

<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

eXTReMe Tracker