domingo, outubro 07, 2007

 

UM PALHAÇO do CORREIO da MANHÃ TENTA DENEGRIR O CHE




Hoje ao folhear a magazine do CM, deparei-me com um texto de um palhaço que à força tenta denegrir a imagem de Che Guevara e o seu legado histórico.


Não podia deixar este ataque em claro e defender aqui a honra de um homem que prescindiu da sua liberdade, e da sua vida desafogada em Cuba para lutar pelo ideal do socialismo e da sociedade sem classes. Foi assassinado cobardemente na Bolivia por militares a soldo da CIA, e fotografado para mostrar que a sua luta tinha acabado... enganaram-se!


Recentemente soube-se que o graduado que lhe deu o tiro, ficou cego, e foi operado por médicos cubanos usando outro nome... Afinal o regime de Cuba é bom...


Basta consultar a wikipedia para ver que em 1951 Che exerceu medicina (como enfermeiro) ... por isso deve ter mudado pensos!


O ano passado escrevi este pequeno texto sobre a foto de Alberto Korda...

“EL CHE”
A imagem mais reproduzida na história da fotografia

O fotógrafo cubano Alberto Korda tirou esta foto ao comandante Che Guevara, (de seu nome Ernesto Guevara de la Serna) em 1960, durante um funeral em Cuba
Na altura Korda baptizou-a de “Guerrillero Heroico” e nunca pensou que seria reproduzida da maneira que foi... de mil maneiras em t-shirts, calções, cartazes, maços de tabaco, tatuagens, garrafas de vinho, porta chaves, etc. Sem nunca lhe pagarem um cêntimo.
Esta imagem esteve exposta o ano passado no Centro Internacional de Fotografia em Nova Iorque sob o tema “A pujança de uma só imagem”.
A foto que nos dias de hoje retrata da melhor maneira o século XX, está cotada como um simbolo de rebeldia e é considerada a mais reproduzida na história da fotografia.
No mesmo rolo Alberto Korda tirou ainda fotos a Jean-Paul Sartre e a Simone de Beauvoir (na altura de visita a Cuba).
Entrevistado sobre a sua obra, Korda declarou: "Honestamente, a sua cara impressionou-me muito. A sua expressão era poderosa. No momento em que o vi dentro da máquina nunca o esquecerei”.
A foto foi tirada num funeral em Colón a 5 de Março de 1960 e foi primeiro publicada no jornal cubano “Revolucion”.
Passados seis anos foi usada em cartazes na Europa quando Che Guevara foi assassinado na Bolívia.
No Verão de 1967 o editor italiano Giangiacomo Feltrinelli chega a Havana para falar com Korda que lhe oferece duas imagens do revolucionário. Em Outubro Che é morto na Bolivia por espiões da CIA que mais tarde o entregam aos militares bolivianos. Feltrinelli imprime posters na Itália com a imagem de Che no formato de 1 metro por 70 cm... fala-se que em pouco tempo vendeu um milhão de posters. A exposição de Nova Iorque tinha além da foto original, pinturas, roupa, os primeiros cartazes dos anos 60 e artigos de todo o tipo recolhidos em 30 países, incluindo capas das magazines “Der Spiegel” e “Paris Match”.
A curadora da exibição Trisha Ziff, declarou em entrevista que escolheu esta exposição em torno de uma só imagem porque é a mais reproduzida desde sempre e pela curiosidade de um fotógrafo ser recordado por 1/60 de segundo da sua vida.
Alberto Korda, de seu nome verdadeiro Alberto Diaz Gutierrez nasceu em Havana a 14 de Setembro de 1928 e faleceu em Paris a 25 de Maio de 2001.
Foi fotógrafo do governo de Fidel Castro até 1968. Segundo o seu testamento este fotograma pertence agora ao governo cubano.
António Melão

Comments:
No outro dia um amigo disse-me que tinha ficado com poucas recordações de A Capital... e que estes textos teriam pouca importância para o leitor comum...
Será por isso que ninguem comenta?
Quantos de voces já tinham visto o Alberto Korda com o fotograma original do Che na mão?
É uma imagem incrivel!
Saudações a todos que já se candidataram às imperiais... CM
 
Enviar um comentário

<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

eXTReMe Tracker